Mairipotaba: cidade de Goiás que tem mais eleitores do que habitantes

Em algumas cidades do Brasil o número de habitantes é menor do que a quantidade de eleitores. É o caso de Mairipotaba, município do interior de Goiás, que possui 3.570 pessoas aptas a votar, segundo dados do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), e apenas 2.561 habitantes, de acordo com o censo de 2022 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

José Caio Vaz, advogado eleitoralista, esclarece a discrepância entre os números. Ele explica que essa diferença é frequentemente atribuída à defasagem nos dados populacionais do IBGE. O que não se aplica em Mairipotaba e em outros municípios brasileiros, já que o número de habitantes é de um levantamento recente do instituto. 

Outro ponto que explica essa diferença entre eleitores e habitantes, é a  inscrição fraudulenta – quando os cidadãos resolvem mudar de domicílio eleitoral para beneficiar um candidato específico.

Vaz destaca que, quando há suspeitas de fraude, a Justiça Eleitoral investiga, e se comprovada, tanto eleitores quanto candidatos podem enfrentar penalidades severas. “Quando há suspeitas de fraude, a justiça conduz investigações detalhadas”. De acordo com o especialista, esse tipo de denúncia é feita com certa frequência ao Ministério Público, por parte dos concorrentes.

Uma inscrição fraudulenta pode resultar em reclusão de até cinco anos e pagamento de multa, como previsto pelo Código Eleitoral. Aqueles que induzem eleitores a se inscrever fraudulentamente também incorrem em crime, com pena de reclusão de até dois anos e multa.

É importante salientar que existem regras claras para a mudança de domicílio eleitoral, com prazos específicos para regularização antes das eleições. No caso da regularização deste ano, o prazo encerrou no mês de maio. A atualização regular dos dados populacionais é crucial para evitar mal-entendidos e garantir a transparência do processo eleitoral.

Mairipotaba, município que fica a 99,2 km de Goiânia, é dividida em duas partes: a ‘velha’, conhecida pelos casarões do começo do século XX, e a parte ‘nova’, construída a partir do ‘jatobazeiro’, árvore símbolo da cidade.

O PIB da cidade é de cerca de R$ 88,3 milhões de reais, com participação expressiva da agropecuária com 59,9% do valor adicionado, da administração pública (19,5%), dos serviços (16,1%) e da indústria (4,4%). Já o PIB per capita da cidade é de R$ 37,4 mil.

Continue Conectado